Avisar de contenido inadecuado

Veja: el capo Marcola y "el Brasil boliviano"

{
}

Mundo
Os vínculos do PCC com a esquerda armada e a inspiração boliviana
Livro relata como o PCC se transformou no primeiro cartel de drogas do Brasil e como as relações de seu líder Marcola internacionalizaram a organização 
Por Leonardo Coutinho

Livro conta como desde a prisão, Marcola traiu companheiros, aprendeu técnicas da esquerda armada e internacionalizou a organização (Jorge Santos/Estadão Conteúdo) 

Fundado em 1993, o PCC evoluiu de uma espécie de sindicato de criminosos à maior organização criminosa do Brasil. O passos percorridos pelos bandidos, ao longo dos últimos 25 anos, são descritos no livro Laços de Sangue: a história secreta do PCC (Matrix Editora, 248 pág.), do procurador Marcio Sergio Christino e do jornalista Claudio Tognolli.

Christino, que é um dos principais investigadores das ações do PCC, narra os resultados de suas pesquisas e fatos dos quais é testemunha. O principal deles é como o líder do PCC, Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, se consolidou como chefão da organização.

Livro narra a história do PCC, a maior organização criminosa do Brasil (Divulgação/VEJA.com)
Depois de conquistar o comando do PCC, Marcola traiu dois fundadores do PCC que percebia como as únicas ameaças ao seu reinado absoluto. Segundo relata Christino, Marcola passou a trabalhar como informante da polícia paulista. Marcola entregou para polícia a poderosa rede de comunicação chefiada por José Márcio Felício, o Geleião, e César Augusto Roriz Silva, o Cesinha. A traição de Marcola, que sacrificou uma importante parte operacional da organização, foi apenas um dos passos iniciais do golpe que ele empreendeu para refundar o PCC.

O golpe de Marcola coincide com um fato bizarro que contou com a “colaboração” das autoridades paulistas. Em 2002, o guerrilheiro chileno Mauricio Hernandez Norambuena, preso pelo sequestro do publicitário Washington Olivetto, foi enviado para o mesmo presídio de Marcola, na cidade paulista de Presidente Bernardes.

Norambuena, que é um guerrilheiro treinado por Cuba para realização de ações de guerrilha na América Latina, transformou-se no “Mestre Terrorista” de Marcola. Idolatrado por seu passado pelas lições que apresentou ao líder do PCC, o chileno ganhou o status de professor para Marcola. Segundo Christino, o convívio de Marcola com Norambuena mudou de forma definitiva o modelo de ação da organização.

“O Brasil Boliviano”

Segundo o procurador Marcio Sergio Christino, além da influência estratégia e tática aprendidas por meio do convívio com o “professor terrorista” Mauricio Hernandez Norambuena, o PCC está reproduzindo no Brasil os passos já testados pelos movimentos cocaleiros da Bolívia.

Depois dos violentos conflitos registrados em 2006, o PCC compreendeu que as ações espetaculares e a violência desmedida não ajudariam no avanço dos negócios. E passaram a focar no modelo cocaleiro boliviano que, apenas um ano antes,  havia conseguido eleger o seu líder Evo Morales como presidente da Bolívia como o principal exemplo a ser seguido.

A Bolívia é o principal provedor da cocaína que entra o Brasil. O PCC é o principal parceiro comercial dos bolivianos. Vendem a droga em território nacional e são o principal operador logístico para “exportação” da droga para Europa, África e Oriente Médio.

O procurador denuncia ainda que, como fruto do amadurecimento do PCC, suas ações têm sido cada vez mais assemelhadas às militares. A série de assaltos à empresa de valores mostram a evolução tática da organização e o poder de fogo superior ao das forças de segurança.


Metralhadora utilizada pelo PCC em atentado contra rival no Paraguai. Modelos idênticos são usados em assaltos: arsenal desviado do Exército da Bolívia (Divulgação/VEJA.com)
 

Além da logística impecável, em quase todas essas ações foram empregadas metralhadoras calibre .50 – capazes de romper blindagens com rajadas que superam os 400 tiros por minuto. O livro revela que as investigações conduzidas no Brasil identificaram que o arsenal de guerra do PCC tem origem boliviana. As armas foram desviadas das forças armadas do país vizinho.

{
}
{
}

Deja tu comentario Veja: el capo Marcola y "el Brasil boliviano"

Identifícate en OboLog, o crea tu blog gratis si aún no estás registrado.

Avatar Tu nombre

Los comentarios de este blog están moderados. Es posible que éstos no se publiquen hasta que hayan sido aprobados por el autor del blog.